Menu

Linhas de Produção

Tupã Rebites - Como Rebitar

Como Rebitar

Abaixo, apresentamos vários passos, estabelecendo um procedimento correto de rebitagem de lonas em sapatas para freio para veículos automotores:

1 - Assegurar-se da geometria da sapata para freio quanto a distorções como: empenamento da base, ruptura da solda entre as nervuras e a base, diâmetro dos furos, etc.

2 - Assegurar-se que a lona para freio a ser rebitada é a recomendada pelo fabricante do veículo.

3 - Examinar a condição dos tambores de freio, quanto ao desgaste, ranhuras e trincas térmicas; caso necessário, usina-se ou simplesmente substitui-se por novos.

4 - Prestar muita atenção na usinagem do tambor, pois as lonas deverão apresentar uma espessura maior (sobremedida), "X" ou "XX", compatível com o novo diâmetro do tambor.

5 - A usinagem dos tambores de freio deve obedecer às dimensões permitidas pelo fabricante; esta dimensão está gravada no tambor de freio. É importante que ambos os tambores de um mesmo eixo possuam o mesmo diâmetro. É conveniente lembrar que a retífica do tambor de freio diminui sua resistência mecânica e a capacidade térmica.

6 - É muito importante que o veículo seja montado, em todos os seus eixos, com a mesma marca e qualidade de lonas para freio.

7 - Verificar o assentamento entre lona e sapata. Uma folga de 0,25mm, no máximo, é aceitável entre a sapata e a lona, ao longo das laterais e extremidades, do conjunto, exceto entre o par de nervuras, onde uma folga de até 0,64mm é aceitável.



8 - Assegurar-se que os rebites estão com o diâmetro da haste, tamanho da cabeça, forma, comprimento e material corretos. Neste aspecto, possuímos um catálogo de aplicação de lonas para freio, onde recomendamos o tipo ideal de rebite, conforme especificação da montadora do freio.

9 - Recomenda-se o uso do rebite de latão ou aço latonado, devido as suas propriedades mecânicas , de resistências e dilatação.

10 - Recomenda-se a utilização do rebite semi-tubular ou tubular, devido à melhor rebitagem.

 

 

 

11 - Para freios a tambor de grandes veículos, que necessitam de rebites com diâmetros de 6.0 a 8.0mm, considera-se que o comprimento livre para uma boa rebitagem seja de 4,5 a 5,5mm. Normalmente esta dimensão é dada da seguinte forma: 0,75 x diâmetro do rebite. Em (1) temos o comprimento do rebite demasiado curto; em (2) temos o comprimento do rebite correto; em (3) temos o comprimento do rebite demasiado longo.

12 - O rebite deve preencher os furos na lona e na sapata. Comprimento tubular do rebite deve ser suficientemente profundo, para evitar que o punção da rebitadeira encontre resistência.

13 - Instalar os rebites nos furos e fazer a rebitagem seguindo a sequência.

14 - A força de rebitagem não pode ser brusca e sim lenta, dentro de aproximadamente 2 segundos, permanecendo pressionado por 1 segundo. Esta operação é para evitar trincas nas lonas para freio e folgas entre a sapata.

15 - A folga máxima admissível é de 0,10 mm, sendo que todas as áreas de assentamento de rebites não devem apresentar folgas.

16 - Nos cantos pode ser admissível. Um remanchamento que não toca completamente a superfície do patim, ou seja, uma folga entre remanche e o patim, é inaceitável.

Rod. BR 101, Km 163, 910 - Tijucas - SC - Brasil - CEP: 88.200-000 Fone: +55 (48) 3345-2580- Fax: +55 (48) 3345-2581 - vendas@tupafixadores.com.br

Copyright © 2012 Tupã Fixadores.Todos os direitos reservados.